quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Se não morresse por causa natural, qual seria a expectativa de vida?

A ideia é simples: se por um passe de mágica fosse removido de um dia para o outro, a morte por causas naturais, é óbvio que, em qualquer caso, todos acabaríamos por morrer devido a outras razões: guerras, incêndios, acidentes de avião, por afogamento no mar ou um coice de um burro. 

O que seria, então, a esperança média de vida?

No site PolStats fizeram o exercício de cálculo, além de criar um simulador de expectativa de vida sem morte natural que faz com que o tempo passe, cada ano, a toda a velocidade, fulminante 100 pessoas de acordo com as leis da probabilidade e dados estatísticos atuais compilados, a partir dos EUA. 

Surpreendente é que a esperança média de vida é de 8938 anos - um fato que pode ser alcançado repetindo a simulação. É um pouco divertido para ver como as pessoas vão caindo como moscas para as causas mais comuns, simbolizados por ícones. 

Começa por um raio, acidentes com armas de fogo, inundações e té o clássico terremoto. Mais surpreendente é, talvez, que os valores extremos são muito amplo: para alguns a sua vida vai durar apenas de zero anos, se eles têm muito, muito azar. Mas os que viverão, podem alcançar os 40.000 ou 50.000 anos de vida - o que seria uma vida plena (e esperemos que não muito chato).


As causas mais comuns para a morrer todos os habitantes deste planeta utópico de acordo com esta simulação seria, nesta ordem: acidente de veículo de automóvel (68%), assalto com uma arma de fogo (22%), fogo (5%), cair de uma escada, 2%; cair os degraus de uma escada de um prédio (1%) e um resto de 2% por outras causas cada um mais improvável, incluindo cataclismos ou mordidas de cão.

O uso do carro seria a mais mortal atividade possível neste "mundo maravilhoso" em que cada um teria de avaliar os riscos de suas atividades dado que ninguém a priori tem data de validade.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

PASSAPORTE. Quais são os melhores

Quer conhecer quais os países que têm os passaportes considerados melhores? Fui pesquisar e descobri: o alemão é o mais "poderoso" - o que dá acesso a mais países, sem um visto especial. São 158 países, vindo em seguida os da Suécia, Finlândia, França, Suíça e Espanha.




Clique AQUI e descubra o ranking. 

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Como descobrir quem faz chamada de 'número privado'

1. Entre no site TrapCall (www.trapcall.com) e clique em Sign Up.
2. Obviamente este é um serviço pago. Por isso, assine o plano “Bug Trap” (é o mais barato).
3. Depois disso, quando receber uma ligação de número privado, não atenda (com certeza a pessoa ligará de novo).
4. Quando a ligação for feita de novo, o número aparecerá na tela, e você receberá por SMS o nome e o endereço do dono do celular que foi usado pra realizada a chamada.

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

PRÊMIIO. 'Boa Notícia' divulga os ganhadores do Gandhi 2016


Conheça a relação completa dos ganhadores e das matérias premiadas.

CATEGORIAS PROFISSIONAIS

JORNALISMO IMPRESSO: Rômulo Almeida da Costa, Isabel da Silva Costa e Thaís Brito Mendonça, pelo Jornal O Povo, com a série Especial Juventudes.

TELEJORNALISMO: Lyana Maria França da Costa Ribeiro, da TV Jangadeiro, e sua equipe formada por Tiago Lima Melo, Kílvia Muniz Silveira Girão, Maria Elba Batista de Aquino, José Maria de Melo Sousa, com a matéria Para Além das Margens.

RADIOJORNALISMO: Ana Paula Lima de Araújo e Rachel Gomes Braga Monte, da Rádio Universitária. Matéria: Caldeirão: A força da fé.

FOTOJORNALISMO: José Sérgio da Cunha Jr. (Kid Jr), do Diário do Nordeste. Foto/Matéria: Corda Bamba.

PUBLICIDADE & PROPAGANDA: Victor da Rocha Mendonça, da 100 Graus Comunicação e Marketing Ltda., com a equipe formada por Carolina Mapurunga. Campanha: Luta pelo fim da cultura do estupro.

JORNALISMO PARA INTERNET: Jéssica Welma de Assis Gonçalves, do Portal Tribuna do Ceará, com a equipe integrada por Roberta Coelho Tavares Aguiar, Rafael Luís Azevedo, Jéssica Fernanda Leite Moura, Emílio Moreno da Silva Neto, Jackson Douglas Santos da Cruz e Mayara Roberta Rodrigues Albuquerque. Matéria: Viúvas do Trabalho

CATEGORIAS ESTUDANTES

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC): Larissa Nobre de Sousa, da Faculdade 7 de Setembro (FA7), com trabalho intitulado “Rádio Livre: a ressocialização através da comunicação”.

JORNALISMO: Carlos Eduardo Pereira Freitas, da Universidade Federal do Ceará (UFC), com o trabalho Verde Instante. De sua equipe fizeram parte Marcelo Andrey Monteiro de Queiroz, Aline Medeiros Mourão e Larissa Pereira dos Santos.

PUBLICIDADE & PROPAGANDA: Amanda Oliveira Melo Murray, da Universidade de Fortaleza (UFC), com o trabalho “Em qualquer lugar, a qualquer hora”.  A equipe foi composta por Germano Vieira Rocha, Marcella Dália Vieira, Nicácio Ramon Braga Lira e Yan Gurgel Esmeraldo.

PRODUTOR DE CONTEÚDO ON LINE: Paula Ferreira Rodriguez Fernandes e Wellington Miareli Mesquita, da Agência Radioweb – São Paulo/SP. Matéria: Luz na Cracolândia: libertação das drogas

domingo, 30 de outubro de 2016

Time de futebol alemão quer investigar seu passado no nazismo

Bayern de Munique tem a intenção de pedir a um grupo de historiadores para investigar o comportamento da entidade durante o período nazista, para lidar com uma controvérsia surgiu depois de um artigo na revista 'Der Spiegel'. 
Em maio Der Spiegel publicou um artigo que foi baseado no trabalho de um pesquisador para o Bayern de Munique afirmar que, contrariamente às suas afirmações, era perfeitamente acomodados à ditadura nazista na Alemanha entre 1933 e 1945.
Clube notável na época, o Bayern de Munique venceu o seu único campeonato antes da Segunda Guerra Mundial em 1932.
"A visão apresentada pelo Bayern de Munique, no Museu do Futebol afirmando que o clube se manteve a uma distância de Nacional Socialismo (Nazismo) não se sustenta", disse o historiador Spiegel Markwart Herzog, com base nos relatórios das assembleias gerais clube até agora inédito.
"Basicamente, temos de concluir que Bayern não teve uma atitude diferente, comportou-se como a maioria dos clubes alemães do tempo", acrescentou.
O trabalho desta pesquisa foram respondidas. Um especialista no assunto, Dietrich Schulze-Marmeling, autor do livro "FC Bayern e os judeus 'Der Spiegel acusa Herzog e tendo publicado" uma mistura de fatos para um longo tempo e uma boa dose de golpe atrás. "
"Este informações e opiniões devem ser avaliados por cientistas", disse o Bayern de Munique, Der Spiegel citou.
Em seu site o alemão, vencedor de cinco edições do clube Taça da Europa, dedica uma seção para o período nazista e da Segunda Guerra Mundial afirmando: "FC Bayern sofreu por causa de suas raízes judaicas (presidente do clube até 1933, Kurt Landauer, era judeu). o número de membros de equipes e espectadores caiu drasticamente. Durante os 12 anos de ditadura fascista o clube perdeu o seu lugar no topo do futebol alemão e caiu para o lugar 81th na classificação do Reich ".
Os nazistas forçavam a todos os clubes desportivos a descartarem equipamentos e posições de responsabilidade aos judeus.
Segundo a Der Spiegel o clube com mais títulos na Alemanha confiou a tarefa de pesquisar seu passado "a um comitê científico ou um instituto independente".

domingo, 9 de outubro de 2016

As vozes dos silenciados

Aos homens do futuro,
Que herdarão a Terra mãe, 
um alerta do passado
nos vem chamar atenção:
a violência que a guerra
instalou na pátria lituana
não pode ser varrida
das mentes humanas.
Em setembro de 1941,
Na pequena Butrimonys,
os alemães do nazismo
chacinaram os judeus
da cidade a troco de nada.
Dia de horror inesquecível,
ver homens e mulheres
que adotaram aquela pátria
serem exterminados com
grupos de inocentes crianças.
O mundo guardou disso
imagens feitas pelos russos
e uma carta de um judeu,
que antes de ser sacrificado
descreveu à família o quadro
dantesco que testemunhara.
Passados hoje 75 anos
as vozes dos silenciados
pela crueldade nazista
pedem que não se esqueçam
nunca desse passado,
para que o presente
não inspire outras maldades
como as cometidas
na Lituânia de nossa saudade. 

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

JORNAIS. Furacão Matthew no Cariri foi assunto de O Povo


Um cochilo da redação de O Povo redundou num erro geográfico sem tamanho. A matéria relacionada ao furacão Matthew que os californianos estão enfrentando hoje, acabou bombando nos comentários do Facebook, diante da citação do jornal cearense de que ele "deixou cenário de destruição no Cariri". Na verdade, a matéria fazia referência ao Caribe mas, provavelmente, um corretor digital tenha trocado os nomes das duas regiões. Com isso, tivemos comentários os mais incríveis. 

O internauta Paulo Webster Costa mostrou seu espanto: "Minha nooooossa... Não sabia que tinham entregue nosso Cariri par os EUA". 

A advogada Laciana Lacerda botou mais gás no fogo: "Sobral deve estar com muita raiva num momento como esse". 

José Irvando Oliveira Vaz aproveitou para mexer com a equipe de meteorologia da Fundação Cearense de Meteorologia: "Deve ter sido a Funceme que previu"

Tales Pinheiro considerou um "ato falho freudiano de quem escreveu". 

Fernando Neme aproveitou para ser politicamente incorreto: "Pobre estagiário! Demitido de novo..."

A cantora Aparecida Silvino suspeitou: "Jesus Cristo... o corretor deles é digital, né?"

O músico e humorista do "Só de H" Ricardo Diamante pensou em ligar para parentes lá no Cariri, mas frustou-se: "Vala... o celular da titia não atende". 

Mas ninguém foi tão cearense quanto o produtor e músico Mrcílio Mendonça. Ele simplesmente recorreu ao mesmo espanto de todo romeiro: "Valha-me meu Padim"